sexta-feira, 26 de agosto de 2016

MIRINZAL: Funcionários fantasmas e acumulação de cargo público

 
Ao que tudo indica, nos próximos meses, o prefeito de Mirinzal – Amaury Santos Almeida, candidato à reeleição pelo Partido Democrático Trabalhista(PDT), terá muito que se explicar à justiça. Em uma rápida análise na prestação de contas do município, principalmente no que tange a folha de pagamento, várias suspeitas de irregularidades foram detectadas pelos técnicos do Tribunal de Contas do Estado.
Dentre algumas das aberrações, as que mais chamaram atenção foi o fato dos Secretários de Finanças do Município – Cláudio Santos Almeida e de Administração – Evilásio Rodrigues Ribeiro receberam por duas fontes pagadoras. No caso, suas respectivas secretárias e, ainda, a Secretaria de Saúde.
Segundo documentos analisados, no ano de 2013, por exemplo, Cláudio Almeida recebia a quantia de R$3.000,00(três mil) como secretário e, ainda, R$800,00(oitocentos reais) como coordenador do fundo municipal de saúde.
Situação semelhante também foi detectada tendo o secretário Evilásio Ribeiro como beneficiário. No caso, assim como Cláudio Almeida, ele também recebia pelas Secretárias de Administração e Saúde.
A similitude de nomes foi outro ponto que chamou atenção dos analistas. Em um caso, por exemplo, a funcionária Aldira Silva aparece com um salário de R$ 2.000,00(dois mil reais), sem que seja feito qualquer desconto. Logo em seguida, aparece outra Aldira Silva, mas acrescido o sobrenome Araújo, digo, Aldira Silva Araújo, com salário de R$678,00(seiscentos e setenta e oito reais) e todos os descontos assegurados por lei.
 
Analisando os dados constantes no TCE, após checagem de informações junto a funcionários da prefeitura, os quais pediram para não serem identificados, várias pessoas jamais foram vistas no município, há exemplo da cunhada do secretário Cláudio Almeida – Nágila Quintanilha Gerude, cujo nome aparece na folha recebendo um salário de R$1.500,00(hum mil e quinhentos reais), mas só aparece na cidade em período de festa.
A funcionária Alessandra Cruz(R$1.500,00), Pedro Jarbas de Jesus Júnior(R$678,00) e Leibe Prazeres Barros Madeira(R$1.500,00) também são “servidores” que constam nas folhas de pagamento enviadas ao TCE, contudo, segundo aliados do prefeito, nunca foram vistos cruzando os corredores de qualquer dos órgãos da prefeitura.
Ainda ao analisar os dados, também chamou atenção de pessoas ligadas a Amaury, o fato de funcionários terem sido desligados dos quadros e mesmo assim, posteriormente ao afastamento, continuarem incluídos na folha de pagamento, como Dienne Sanay Silva Ferreira. Mesmo afastada da função, o nome permaneceu na folha.
Para alimentar uma espécie de caixa dois, que seria operado diretamente pelo prefeito Amaury e o secretário Claudio, segundo funcionários que estão bastante descontentes com a gestão municipal, apenas com intuito de devolver o excedente , alguns funcionários aparecem na folha recebendo valores bem acima do correto.
Nessa situação estariam os servidores Adeni Júnior Fonseca Pereira, que aparece com um salário de R$ 3.988,76(três mil novecentos e oitenta e oito reais e setenta e seis centavos) quando o correto, para o cargo exercido, seria de apenas R$1.500,00(hum mil e quinhentos reais).

Quintino Pereira e a professora Greyce Anne das Graças M.M. Costa seriam outros dois que se encontram na mesma situação. Na folha, mediante o cargo exercido, embora um salário mínimo fosse o correto, Quintino aparece recebendo R$1.000,00(hum mil) reais. Já a professora Greyce deveria receber, de direito, R$1.390,00(hum mil e trezentos reais), mas, de fato, segundo conta na folha, recebe R$2.890,16(dois mil oitocentos e noventa reais e dezesseis centavos).

O Caso do médico Ubiratan Amorim Ferreira foi outro que chamou bastante atenção. Para exercer suas funções no chamado Programa Saúde da Família, em um único mês, o médico recebia a bagatela de R$57.000,00(cinquenta e sete mil) reais. O detalhe é que na cidade, de acordo com alguns moradores, o médico até prestava serviço, mas não pelo programa federal do PSF.

Servidores também denunciam que, além de problemas na folha de pagamento, as empresas que prestam serviços ao município seria outro meio usado pelo prefeito para sangrar o erário público. Tais casos serão detalhados em outras matérias. Com a palavra, o Ministério Público do Estado.

 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

NORDESTE POSSUI 2/3 DAS CIDADES MAIS VIOLENTAS DO PAÍS


O Nordeste concentra as cidades mais violentas do País. Com o surgimento de novos polos econômicos nas últimas décadas, a região precisou lidar com uma onda de criminalidade para qual não estava preparada. O resultado é que, hoje, dos 150 municípios com as maiores taxas de homicídio por arma de fogo no Brasil, 107 ficam no Nordeste – dois a cada três. No ranking de capitais, as seis primeiras colocadas também são da região. 

Os dados compõem o Mapa da Violência 2016 – Homicídios por Armas de Fogo no Brasil, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), sob coordenação do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz. Eles mostram que, apesar de o crescimento das mortes por arma de fogo ter desacelerado na última década no País, as realidades locais e regionais não seguem um padrão.
Enquanto Rio e São Paulo, por exemplo, conseguiram reduzir os índices de assassinatos após investimentos em segurança, o Nordeste dobrou sua taxa de homicídio de 16,2 para 32,8 entre 2004 e 2014, puxando, ano a ano, os resultados do Brasil para cima. O índice é bem superior ao da segunda colocada, a Região Centro-Oeste, que tem taxa de 26 mortes por 100 mil e registrou aumento de 39,5% no período. Já o Sudeste foi o único a recuar nessa década, 41,4%, e tem 14 homicídios por arma de fogo para cada 100 mil. No País, a média é de 21,2 homicídios por 100 mil habitantes.
Em 2014, o índice médio do Nordeste foi liderado por Alagoas (56,1), Ceará (42,9), Sergipe (41,2) e Rio Grande do Norte (38,9). “Na virada do século, todos eram Estados que apresentavam bons índices”, afirma Jacobo Waiselfisz. “Locais que antes tinham altos índices, como São Paulo, Rio e Pernambuco, passaram a receber recursos, e as taxas caíram.” 

Guerra
No Brasil, dois municípios têm taxa superior a 100 homicídios por arma de fogo para cada 100 mil – número equivalente ao de zonas de guerra. São eles: Mata de São João (102,9), na Bahia, e Murici (100,7), em Alagoas, ambos em regiões metropolitanas do Nordeste. Para o cálculo, foram consideradas as cidades com mais de 10 mil habitantes, onde aconteceram 98% dos assassinatos por arma no País, no período de 2012 a 2014.
Das 150 cidades mais violentas, apenas 43 não ficam na região. O Distrito Federal e outros oito Estados não têm nenhum município na lista, incluindo São Paulo, Santa Catarina e Acre. Do Nordeste, apenas o Piauí não aparece. O estudo usa dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus).
Segundo Jacobo Waiselfisz, houve uma interiorização dos crimes no Brasil, antes concentrados em grandes capitais. “Surgiram polos industriais, que são atrativos de população e de violência”, diz o sociólogo. Para ele, a “pandemia de violência” não foi acompanhada por incremento no aparato de segurança desses locais.
Já o ranking das capitais, liderado por Fortaleza, no Ceará, tem como base as taxas de 2014. Lá, foram 81,5 homicídios por arma de fogo por 100 mil habitantes. Na sequência, aparecem Maceió (73,7), São Luís (67,1), João Pessoa (60,2), Natal (53) e Aracaju (50,5). Só então, em sétimo lugar, vem Goiânia (48,5), no Centro-Oeste. 

Carandiru
De acordo com o levantamento, as armas de fogo mataram 123 pessoas por dia em 2014. Mais do que no Massacre do Carandiru, quando 111 presos foram mortos em São Paulo, em 1992.
Para o sociólogo, apesar de a taxa de homicídio estar praticamente estável desde 2003, após uma política de controle de armas, com avanço de 0,3% ao ano, a quantidade de casos ainda preocupa. “A febre persiste. O ‘indivíduo’ (Brasil) não morreu, mas continua na UTI.”

‘Aqui todo mundo conhece alguém que já foi assassinado’
A cerca de 60 quilômetros de distância de Salvador, capital da Bahia, e dona de um dos litorais mais bonitos do Brasil, Mata de São João sobrevive da indústria do turismo. Segundo moradores, de tão pacífico o local chegou a ser conhecido como “a cidade dos aposentados”. Nos últimos anos, porém, uma escalada de violência tem atingido o município. “Aqui todo mundo conhece alguém que foi assassinado”, diz o jardineiro Gilton Santos, de 58 anos.
Em 1.º lugar no ranking das mais violentas do País, a cidade tem 102,9 homicídios por arma de fogo para cada 100 mil, segundo o Mapa da Violência 2016. Só em 2014, foram 45 casos. Isso para uma população que não passa de 45 mil pessoas.
“Agora é morte atrás de morte. Só neste ano Foi o ‘Pitbull’, o ‘Geo’, o ‘Guel’, o ‘Fábio’. Tudo assassinado”, conta o motorista Antônio Carlos Cardoso, de 48 anos, “nascido e criado” em Mata de São João. “Conhecido meu, são mais de dez.”
Os moradores afirmam que a maioria das ocorrências está relacionada ao tráfico de drogas e as vítimas são, geralmente, jovens entre 15 e 25 anos. “Começou de uns cinco anos para cá. Antes a gente não via isso de jeito nenhum”, diz Cardoso. 

A Secretaria da Segurança Pública da Bahia questiona o ranking e diz que investe nas polícias. Segundo a pasta, a cidade tem predomínio de vegetação fechada e, por isso, serve “como ponto de “desova” de corpos, elevando os índices registrados”. Também diz que os dados da secretaria apontam redução nos últimos anos.

NORDESTE:Número de homicídios por armas de fogo dobra em dez anos


Dados do Mapa da Violência mostram que, enquanto a taxa de homicídios por armas de fogo na região sudeste caiu 41,4% entre 2004 e 2014, na região nordeste o índice dobrou. Segundo o estudo, o crescimento do índice na maior parte dos estados do nordeste, em um curto período, aconteceu porque os governos tiveram que enfrentar uma pandemia de violência para a qual estavam “pouco e mal preparados”.

O Mapa da Violência compõe uma série de estudos realizados pelo pesquisador Julio Jacobo Waiselfisz, desde 1998, tendo como temática a violência no Brasil. Waiselfisz é vinculado à Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), organismo internacional e intergovernamental autônomo, fundado em 1957 pelos estados latino-americanos, a partir de uma proposta da Unesco, órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Conforme o estudo, a taxa média de homicídios por armas de fogo no nordeste, em 2014 foi 32,8 por 100 mil habitantes, bem acima da taxa da região que vem imediatamente a seguir, Centro-Oeste, com 26 por 100 mil habitantes e um aumento de 39,5% entre 2004 e 2014.
No mesmo ano de 2014, os índices do norte e do sul foram, respectivamente, 23,1 e 16.3 por 100 mil habitantes, com aumentos de 82,1% e 15%, respectivamente. O índice considerado tolerável pela ONU é de 10 homicídios por arma de fogo a cada 100 mil habitantes. Os municípios de Mata de São João, na Bahia, e Murici e Satuba, ambos em Alagoas, com índices de 102, 100 e 95 homicídios por cem mil habitantes, têm os maiores índices de mortes por armas de fogo do país.

Em situação oposta ao nordeste, na região sudeste a violência armada mostrou queda acentuada: em 2004 o índice foi 23,9 e em 2014 caiu para 14,0 por 100 mil habitantes. O levantamento mostra que São Paulo e Rio de Janeiro foram os principais responsáveis pela redução, com crescimento negativo de 57,7% e 47,8%, respectivamente.

O pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará, Ricardo Moura, ressalta que entre os fatores que contribuem para este contraste estão o tráfico de drogas, que começou a se fortalecer no Nordeste depois de estar consolidado no Sudeste, e em geral, falhas no efetivo policial e na infraestrutura da segurança pública, que no Sudeste já estavam em processo de melhoria.

O Mapa da Violência também aponta um paradoxo nas taxas de homicídio por armas entre negros e brancos, de 2003 e 2014. Enquanto o número de vítimas negras desse tipo de violência subiu 9,9% no período, o de vítimas brancas caiu 27,1%. Os dados mostram que os negros morrem 2,6 vezes mais que os brancos por armas de fogo e que 94% das vítimas são homens.
Segundo o levantamento, de 1980 até 2014, morreram no Brasil 967.851 vítimas de disparo de arma de fogo. Desse total, 830.420 (85,8%) foram homicídios, enquanto as outras mortes foram por suicídio ou acidente.
Os dados mostram que a evolução da letalidade das armas de fogo não foi homogênea ao longo do tempo. Entre 1980 e 2003, o crescimento dos homicídios por armas de fogo foi sistemático e constante, com um ritmo de 8,1% ao ano. A partir do pico de 36,1 mil mortes em 2003, os números caíram para aproximadamente 34 mil e, depois de 2008, ficam oscilando em torno das 36 mil mortes anuais. Em 2012, aceleraram novamente, subindo para 42,3 mil.
“O Estatuto e a Campanha do Desarmamento, iniciados em 2004, constituem-se em um dos fatores determinantes na explicação dessa quebra de ritmo”, aponta a pesquisa.  O Brasil ocupa a 10ª posição entre os 100 países analisados quanto a esse tipo de crime.

Controle
Para Ricardo Moura, um dos fatores que favorecem o alto índice de crimes com armas de fogo é a falta controle da circulação dela: “A grande maioria das armas que circulam no Brasil são produzidas no próprio pais. São armas que estão dentro do Brasil e a gente não sabe como circulam de são produzidas para os outros estados. O Brasil não tem controle sobre vendas, não registra os compradores. Existe um mercado aberto, paralelo e ilegal, porque as indústrias estão registradas, estão vendendo, mas a gente não sabe quem compra e quem distribui isso”, disse o especialista em entrevista à Agência Brasil.

Moura também destaca que o caminho da arma apreendida tem sido um problema para a fiscalização: “Após a apreensão das armas, é importante que haja um controle muito mais rigoroso de como elas tramitam. Elas são submetidas a perícia, ficam apreendidas em fóruns, tribunais, causando perigo a estes locais, que por vezes são invadidos por grupos de criminosos em busca dos artefatos, e, em alguns casos, os próprios agentes estatais comercializam, emprestam ou alugam essas armas que estão sob a guarda deles”..

Na opinião de Ricardo Moura, o Brasil avançou muito com o Estatuto do Desarmamento, mas do ponto de vista operacional o controle da circulação ainda é muito falho e é preciso ter segurança de que a arma apreendida não vai retornar para a sociedade. (Istoé)

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Seduc dará bolsa de R$ 1500 para estudante não abandonar escola no Piauí


A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) irá autorizar o pagamento de bolsa no valor de R$ 1.500,00 para os estudantes concluírem o ensino médio. A medida faz parte das ações para combater a evasão escolar e reduzir os índices de distorção idade/série nas unidades escolares do Estado.
O projeto foi batizado de “Poupança Jovem” e será lançado em solenidade nesta quarta-feira (24), no Palácio do Karnak. O programa será executado nas 44 cidades do Piauí com pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Os recursos são disponibilizados por empréstimo com o Banco Mundial e a operacionalização por convenio com o Banco do Brasil. No total, serão utilizados R$ 35,5 milhões para executar o programa entre os anos de 2015 a 2019.

“A evasão ocasiona queda de matrículas e de recursos. Mas, a pior consequência é deixar milhares de jovens sem formação e dificuldades para ingressarem no mercado de trabalho e terem uma vida melhor. Por isso, abraçamos essa proposta com a esperança de evitar ao máximo que jovens deixem de concluir seus estudos”, comenta se secretária estadual da Educação, Rejane Dias.

Pelo programa, ao concluir o primeiro ano o estudante recebe R$ 400. As demais parcelas são de R$ 500 no segundo ano e R$ 600 no último ano do Ensino Médio. O estudante ou responsável tem o direito de retirar 40% de cada um dos dois primeiros depósitos efetuados. Somente a última parcela pode ser retirada integralmente junto com o saldo remanescente das anteriores e os rendimentos. Para receber cada pagamento, o aluno precisa ser aprovado ao final do ano.

A Poupança Jovem vai atender todas as escolas do Ensino Médio das cidades beneficiadas, somando 59 unidades escolares e alcançando mais de 8 mil alunos. Atualmente a taxa de evasão escolar do Piauí é de 16,9% nas escolas públicas do ensino médio.

Semana de Cultura Popular do Maranhão começa hoje


A Semana de Cultura Popular do Maranhão começa nesta terça (23) e prossegue até sexta-feira (26), no Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho (CCPDVF), na Rua do Giz, Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís. Promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur), por meio da Superintendência de Cultura Popular e CCPDVF, tem como tema “Memória Documental – Um Instrumento da Superintendência de Cultura Popular pela Preservação da Cultura do Maranhão”. O evento faz referência ao Dia do Folclore, comemorado nesta segunda-feira (22).

“Durante os quatro dias de evento serão colocadas em evidência as expressões da rica e variada cultura maranhense. Por meio de exposição, rodas de conversa e apresentações, os participantes discutirão as manifestações populares locais, com destaque à memória”, explicou o superintendente de Cultura Popular do Maranhão, Alaim Moreira Lima.

A abertura será nesta terça, às 16h, com o “Passo da Quaresma “Capelinha – Nossos Santos no Passo”. Em seguida será a abertura da exposição “Memória em Cartaz”, na Galeria do Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho. Na quarta-feira (24), às 15h, Alaim Moreira Lima fala da importância do evento. Às 16h tem roda de conversa com o tema: “O Lúdico no Religioso – Quando o Santo Dá Licença para Brincar”. Para finalizar haverá a  apresentação do Carimbó de Caixeiras de Dona Graça.

A programação na quinta-feira (25) começa com a palestra “Festa de Santo em Terreiro”. Ao final haverá a apresentação do Terreiro Ylê Axé Toy Bedigá. No último dia, às 17h, haverá o lançamento de “Documento Audiovisual” e a palestra “Memória Audiovisual de Eventos da Semana de Cultura Popular do Maranhão”, com Sebastião Cardoso e Alaim Moreira Lima. Às 17h50 tem coffee break e apresentação cultural às 18h.

Programação
Terça-feira (23)
16h – Abertura do passo da quaresma “Capelinha” – Nossos Santos no Passo. E em seguida, abertura da Exposição – Memória em Cartaz. (Galerias do CCPDVF)
Quarta-feira (24)
15h – Fala do Superintendente de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, Alaim Moreira Lima
15h30 – Fala do Gestor de Patrimônio Cultural e Imaterial, Neto de Azile
16h – Roda de Conversa:
Tema: O lúdico no religioso- “Quando o Santo dá licença para brincar”
1 – O toque de caixa no Divino e Carimbó das Caixeiras
Pesquisadora: Cláudia Gouveia
Mestre: Dona Graça
17h40 – Coffee break
Apresentação: Carimbó das Caixeiras
Quinta-feira (25)
16h – Roda de Conversa
Tema: Festa de Santo em Terreiro
1 – São Luís Rei de França e Festa de São Benedito/ Averequete
Pesquisador: Sebastião Cardoso
Mestre: Pai Mariano
17h40 – Coffee break
Apresentação: Terreiro Ylê Axé Toy Bedigá
26/8/2016
17h – Lançamento do documentário “Memória Audiovisual de eventos da SCP”
17h50 – Coffee break
18h – Apresentação Cultural

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Três mortos e três feridos em acidente na BR-010







Um acidente com  colisão frontal ocorrido no km 338 da BR-010, resultou em três mortos e outras três vítimas lesionadas.

O acidente ocorreu por volta das 3h da madrugada deste domingo (21) entre Açailândia e Itinga.

A causa presumível, de acordo com o que foi levantado pelos PRFs que atenderam o acidente, é que um dos veículos tentou realizar uma ultrapassagem indevida.
Os veículos envolvidos na colisão frontal foram um Fiat 147, de placa HQL-5506, e um Gol Trend, de placa AUC-03017.

Os três mortos foram identificados como Antônio Ferreira Coelho Irmão, Maria Raimunda Pereira e Francisca Farias de Moura Sousa.
Ficaram feridos José Nilton Pereira Cardoso e Antônio Pereira dos Santos, além de outra não identificada ainda devido a falta de documentos no local.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O que as agências publicitárias pensam sobre o SBT


Quem acha que o SBT é visto como uma emissora velha, “mofada” e filial brasileira da Televisa pelas agências publicitárias está redondamente enganado.

Uma publicação da revista “Meio e Mensagem” surpreendeu a muitos ao revelar que a emissora de Silvio Santos é muito bem vista no mercado da propaganda.
“Uma rede de televisão que conseguiu preservar sua essência popular e a linguagem familiar, ao mesmo tempo que acompanha a evolução dos meios de comunicação e de consumo de conteúdo” essa é a imagem que, segundo o portal da “Meio e Mensagem”, os profissionais de agências de publicidade têm do SBT.

Paulo Gregoraci, vice-chairman e COO da WMcCann, analisa sobre a emissora: “Tenho a recordação de que, desde 1981, a emissora possui essa conexão com a família. Essa é uma das características do próprio Silvio Santos que acabaram tornando a empresa uma das principais e mais competentes TVs do Brasil”.
“O SBT se dispôs a proporcionar diversão à família. A emissora tem alguns hits em sua programação, que atingem crianças e adultos e acredito que tenha sido uma opção honesta não brigar para ser uma TV que produz conteúdos caríssimos”, opina Adrian Ferguson, que é o vice-presidente de mídia da DM9DDB.

Andrea Hirata, vice-presidente de mídia da Leo Burnett Tailor Made comenta sobre o canal: “a emissora tem uma programação que agrada a família brasileira, mas principalmente a de renda média, que representa o maior percentual da população, além de ser uma das poucas emissoras abertas que preservam conteúdo voltado ao público infantil”.
“É inquestionável o sucesso da programação infantil, que alcança resultados significativos de audiência. Outro ponto forte são os programas direcionados para as classes mais populares, pois conseguem grande fidelidade de parcela significativa da população”, diz Flávio de Pauw, diretor-geral de mídia da Ogilvy, reiterando a força do SBT frente ao público jovem e as classes mais baixas.

“Enxergo o SBT muito mais maduro em termos de gestão de qualidade e conteúdo. A emissora não tem mais aquela ‘Silviodependência’, pois conseguiu formar uma equipe de liderança profissional, com objetivos claros. O mercado sempre teve um grande apreço pelo SBT e, hoje, isso vem acompanhado de uma visão muito positiva”, diz Adrian, sobre a evolução da emissora e maio independência da mesma do seu dono, Silvio Santos.

Gregoraci comenta que o SBT hoje vive uma boa fase e, nitidamente, diferente de outros canais, tem imagem e identidade próprias: “O SBT construiu uma identidade definida. A fase da instabilidade ficou no passado e hoje é notável a existência de uma gestão muito mais profissional”

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Idosa de 82 anos já fez intercâmbio em três países diferentes


Muita gente ainda tem a ideia de que intercâmbio é coisa só para jovens. Só eles teriam o pique para viajar e estudar uma língua diferente, certo? Errado. 
É o caso de Areolina Araújo, de 82 anos, moradora de Belo Horizonte (MG). Ela já fez cinco intercâmbios, em vários locais do mundo, e todos eles foram feitos já na terceira idade-- isso sem contar outras tantas viagens feitas apenas como turista.

"Achei o intercâmbio a maneira mais prática, agradável e econômica de se viajar. E de quebra você ainda aprende uma língua estrangeira", afirmou. "O hotel é a maior solidão. Ninguém te conhece. Como intercambista, você fica em uma casa de família, com quarto próprio, banho quente, café da manhã e jantar. É como ficar acompanhado", completou.

No fim dos anos 90, Areolina fez seu primeiro intercâmbio, quando foi para Toronto, no Canadá. Na segunda vez, viajou para Nova York. Foi ainda para a Roma, na Itália, voltou para Nova York, há dois anos, e, há poucos dias, voltou de Vancouver, no Canadá. A estudante da terceira idade sempre opta por ficar oito semanas e viver em uma casa de família.

"Neste ano, quis voltar para o Canadá. Peguei o mapa para escolher o lugar e vi Vancouver. Como era perto do Pacífico, e eu ainda não conhecia este oceano, quis ir para lá. Achei a cidade lindíssima e estudei em uma escola excelente. Vancouver tem um mar maravilhoso, com barcos e do outro lado da cidade estão as montanhas coroadas de gelo. Uma coisa linda", contou.

Para ir a Vancouver, Areolina optou por um intercâmbio voltado para pessoas com mais de 50 anos, na Canadá Intercâmbio. Nesta modalidade, os alunos tem apenas 3 horas e meia de aula para poder, também, fazer turismo.
"Nesta altura do campeonato, se eu aprender, está ótimo, se não aprender, tá bom também", brincou. "Todo dia depois da aula, eu visito os lugares que eu quero a pé. Converso com as pessoas e faço amizades", completou.

Claro que não é muito comum encontrar outros idosos nos intercâmbios. Mas, Areolina tira de letra o convívio com os mais jovens. O segredo, segundo ela, é não ficar dando conselhos a eles.
"Os jovens me chamavam até para a balada, mas eu não tenho esse hábito de sair de noite. Eu chego em casa às 19h e não saio mais. Em Nova York, por exemplo, costumava ir à missa das 18h. E em Roma, ficava conversando com a dona da casa onde morei, uma senhora que foi casada com um cônsul", lembrou.

Quando era mais jovem, Areolina não tinha muito costume de viajar. Trabalhou como secretária e como professora até os 54 anos, quando se aposentou. Só depois disso, com seus três filhos já criados, começou a viajar.

Agora, com 82 anos, já pensa em fazer outra viagem em um futuro próximo. Aliás, para Areolina, fazer intercâmbio na terceira idade não é algo para se admirar e sim para se copiar.
"Se você tem saúde, dinheiro e coragem fazer intercâmbio, é uma boa ideia que prova que, mesmo na terceira idade, está valendo a pena viver", disse. (Uol)

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

IFMA abre quase seis mil vagas em seletivo de cursos técnicos



O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) divulgou o Edital do processo seletivo para ingresso nos cursos técnicos de nível médio em 2017. São oferecidas 5.980 vagas, distribuídas em 24 cidades. As inscrições vão de 6 a 26 de setembro e a prova será realizada em 4 de dezembro.

As vagas são para as unidades do IFMA em Açailândia, Alcântara, Barreirinhas, Bacabal, Barra do Corda, Buriticupu, Carolina, Caxias, Codó, Coelho Neto, Grajaú, Pedreiras, Imperatriz, Pinheiro, Santa Inês, Porto Franco, Rosário, São João dos Patos, São José de Ribamar, São Luís, Timon, Viana e Zé Doca. Em São Luís, há vagas em três campi: Centro Histórico, Maracanã e Monte Castelo.

O Instituto oferece três formas de cursos técnicos: integrada, concomitante e subsequente. Na forma integrada, o aluno cursa o Ensino Médio junto com uma formação profissional no IFMA. Na forma concomitante, o estudante faz o curso técnico no IFMA e o Ensino Médio em outra instituição de ensino. Já a forma subsequente é para aqueles que já concluíram ou estão concluindo, em 2016, o Ensino Médio e pretendem obter uma formação profissional.

As provas terão 40 questões de múltipla escolha, sendo 20 de Língua Portuguesa e 20 de Matemática. O conteúdo programático está disponível no edital.

Isenção da taxa de inscrição – O valor da inscrição do seletivo é de R$ 20,00 (vinte reais). Caso o candidato pretenda concorrer às vagas com isenção de pagamento da taxa, deverá preencher o formulário eletrônico, disponível no endereço www.ifma.edu.br, no período de 22 de agosto a 02 de setembro. A isenção também pode ser solicitada de forma presencial nos campi, cujos endereços encontram-se no Anexo I do edital.
Poderá requerer a isenção o candidato que estiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e for membro de família de baixa renda.

As vagas à Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição correspondem a 400% do total de vagas por Forma de Educação Profissional Técnica de Nível Médio oferecidas em cada Campus e Campus Avançado no Processo Seletivo 2017.

Sistema de cotas – Em cada curso, 50% das vagas serão destinadas aos candidatos egressos de escola pública. Dessas vagas, metade serão reservadas aos candidatos com renda familiar bruta igual ou inferior a um salário mínimo e meio e a outra metade será reservada aos candidatos com renda familiar bruta superior a um salário mínimo e meio. O Instituto reserva também, em cada curso, 5% das vagas para os candidatos com deficiência.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Elke Maravilha morre aos 71 anos


Elke Maravilha morreu aos 71 anos na madrugada desta terça-feira, 16, no Rio. A notícia foi confirmada através de uma mensagem postada no perfil da artista no Facebook. 

“Avisamos que nossa Elke já não está por aqui conosco. Como ela mesma dizia, foi brincar de outra coisa. Que todos os deuses que ela tanto amava estejam com ela nessa viagem. Eros anikate mahan (O amor é invencível nas batalhas). (Crianças, conviver é o grande barato da vida, aproveitem e convivam)”, diz o texto.
Elke estava internada há quase um mês na Casa de Saúde Pinheiro Machado, no bairro de Laranjeiras, Rio de Janeiro, após uma cirurgia para tratar uma úlcera. De acordo com o irmão de Elke, Frederico Grunnupp, a artista sofreu uma falência múltipla dos órgãos.
“Depois da cirurgia para tratar uma úlcera e como ela tinha diabetes, acabou não respondendo à medicação. Ela morreu antes de 1h”, contou Frederico antes de afirmar que ainda não sabe onde e quando será o velório e o sepultamento. “Tenho que avisar muitas pessoas. Ainda não tenho data e nem local de nada.”
Frederico falou ainda sobre o carinho que Elke Maravilha tinha pelo Brasil. “O Brasil foi o melhor lugar para ela. Minha irmã tinha muito respeito por todos aqui. O Brasil foi a tábua de salvação dela e da nossa família. O país abraçou a Elke, o povo sempre foi muito generoso com ela”, contou ele.
Antes de ser internada, Elke rodava o país com "Elke canta e conta" - no qual era responsável pelo texto e pela voz. No espetáculo, a atriz falava de passagens de sua vida desde a infância na Rússia, dos casamentos e da vida como modelo e apresentadora.


A vida de Elke
Nascida na Rússia, a modelo e atriz Elke Georgievna Grunnupp, mais conhecida como Elke Maravilha, alcançou fama ao participar como jurada de programas de calouros de Chacrinha e Silvio Santos.
Tornou-se amiga de Zuzu Angel. A história da estilista foi contada nos cinemas em 2006. No longa, Elke foi interpretada pela atriz Luana Piovani e fez uma participação especial. Elke enfrentou a tortura da ditadura e chegou a ficar presa por seis dias. Conseguiu ser libertada por intermédio de Zuzu, que enviou um delegado para tirá-la da prisão.

Aborto e oito casamentos
Em maio, no programa de Raul Gil, no SBT, Elke Maravilha revelou o motivo de não ter sido mãe.
A atriz contou que não saberia educar uma criança. "Fiz um aborto pois não saberia educar uma criança. Nunca pensei, só agi. Eu ia fazer um monstro", declarou. Ela disse ainda que "ser bonzinho" com criança era o pior caminho.
Na ocasião, a atriz relembrou ainda a época em que trabalhou com Chacrinha. “Painho era a melhor pessoa do mundo. Era um gênio. Era uma pessoa boníssima, libertaria e libertadora. Ele não tinha preconceito com nada", disse.
Elke falou também sobre seus casamentos. "Fui casada oito vezes. O homem não é uma propriedade minha. Não é uma coisa, é um ser humano". Sobre arrependimentos, ela brincou: "Deveria ter matado algumas pessoas e não tive coragem".
Fonte: EGO